Genocídio da Juventude Negra

Relato e e as vivencias dos jovens.

Quando tratamos de genocídio falamos de fatos não resolvidos. Assistimos um país repleto de desigualdade social e racial. Genocídio é quando um grupo de pessoas são mortas e, na maioria das vezes, são jovens negros. Genocídio é se deparar com um morto na rua e a primeira pergunta que se faz é se ele tava roubando ou vendendo drogas.
Essas vítimas, negros, pobres e periféricos, convivem com a falta de oportunidade para mudar de vida, vivendo em uma comunidade rica em talentos e que são desperdiçados por não terem espaço para ingressar com mais facilidade numa faculdade.
Somos uma população que vive insegura e que anda nas ruas com medo de ser confundido com um bandido. O genocídio na quebrada acontece em forma de violência, abuso de poder, morte, tráfico de drogas, etc.
Nossa comunidade é vista como um lugar jogado, esquecido, abandonado, mas não é assim que funciona. Nesta comunidade abandonada pode sair um advogado ou um médico. É só abrir as portas e dar oportunidades que nós, negros e periféricos, mostraremos do que somos capazes.

O genocídio da juventude negra é uma violência contra os jovens da periferia, pobres, e negros. A cada 23 minutos morre um jovem negro, diz a música “Favela vive 3”. Isso acontece porque nossos direitos são cortados, o governo não garante na prática nosso direito de ir e vir, levando muitos jovens a procurar no tráfico de drogas uma saída. E os pais, preocupados, ficam na insegurança se seu filho vai voltar com vida pra casa.
Para alterar esta situação algumas medidas precisam ser tomadas como uma educação de qualidade , um sistema de saúde que atenda toda a população e a segurança nas ruas. É preciso dar segurança a toda população honesta e batalhadora que luta dia-a-dia pelos seus direitos e por uma vida digna que todo ser humano deveria ter. Pois essas pessoas honestas não conseguem mais que o pão de cada dia para sustentar sua família. Assim, todos os jovens, crianças, idosos e etc poderão andar tranquilamente nas ruas, sem medo de ir para seu trabalho e sem a preocupação se volta vivo ou não para casa.
Outra medida importante a ser tomada é o acesso à cursos profissionalizantes para os jovens de periferias. Dessa forma teríamos condições de buscar um futuro profissional e o número de jovens mortos poderia diminuir. O governo deveria criar penas mais justas para todos os crimes, fazendo o certo pelo certo. E não fazendo leis que acobertam seus crimes gerando mais corrupção para nosso país. O governo deveria fazer isso e muito mais para que o pobre tenha uma vida digna e, também, deveria ter mais espaços como o Projovem para os jovens poder frequentar.

23/09/2018

O genocídio da juventude negra acontece com as pessoas pobre, negra e moradoras de periferia. Aqui no meu bairro os policiais trocam a conversa com os moradores pela agressão, batendo e matando, mais não são só os policiais que matam, o tráfico de drogas e os bandidos também fazem isto.
As maiorias das vítimas são pobre que moram na favela e, em sua maioria, são negras. Uma coisa que eu sempre quis saber é porque os policiais tratam as pessoas não negras de maneira diferente. Negro e branco são pessoas com os mesmos direitos. Eu penso assim por já ter presenciado uma situação em que dois amigos meus, um branco e um negro, sentados na praça conversando, foram abordados por policiais em uma S10. Somente meu amigo negro foi abordado e o outro foi liberado. Eu acho isso uma grande falta de respeito com o ser humano. Na minha quebrada isso acontece constantemente, com policial chegando, batendo e, às vezes, matando

O genocídio da juventude negra é uma violência não somente física, mas também verbal, O genocídio é uma violência cultural, com nosso jeito de vestir. Isso acontece na quebrada com a maioria dos negros, os policiais chegam e abordam um negro por conta de sua vestimenta, que julga aparentar ser de bandido. Os homens por usar um bermudão, um boné e uma blusa logo são identificados pelos policiais como vendedores de droga ou são bandidos. Sendo que os bandidos quase sempre usam terno, gravata e alguns estão na política de nosso Brasil.
As mulheres também sofrem muito com a violência cultural, só por estar usando um short curto muitas são violentadas. No Brasil, a cada 23 minutos morre um jovem negro, as vezes, não pelas mãos de bandidos, mas pelas mãos de homens fardados que dizem proteger a comunidade e são os que mais matam dentro da favela.

Já ouviram falar na expressão genocídio da juventude negra? Genocídio da juventude negra é um extermínio da uma população por terem certas características, morar em periferia, classe social, ser negro, ser LGBT+, entre outros. Infelizmente, até hoje, estamos sofrendo com o racismo, preconceito e o genocídio, e muitas pessoas não sabem ou ignoram isso por não ser retratados pelas grandes mídias. Mas isso não pode ser ignorado por nós cidadãos, pelo contrário, isso tem tem que acabar. Porque que as vítimas desse horror histórico chamado genocídio da juventude negra somos todos nós, que vivemos em periferias e que somos negros.
Passamos por isso todo dia, estamos morrendo tão rápido, mas ninguém está percebendo ou não quer enxergar. E parece que em vez de combatermos isso, estamos pioramos cada vez mais. Isso acontece sempre na quebrada, quando incriminam, batem e matam vários dos nossos pelo simples fato de sermos negros e periféricos. E não falo somente da polícia, mas também por traficantes que vivem e passam o que nós passamos e, mesmo assim, não exitam em atirar em um dos seus. E também estamos morrendo por temos uma saúde precária, educação de qualidade, falta de oportunidades, de trabalho e uma segurança que não faz o que a ela deveria ser destinada, que é proteger os cidadãos.